Alguns produtos não podem ficar de fora da nossa rotina de cuidados com a pele. O antioxidante para o rosto é um bom exemplo disso. Com a função de neutralizar os radicais livres, ele contribui para o equilíbrio fisiológico da nossa derme, combatendo assim os efeitos do tempo e freando o envelhecimento. O Mulher Conectada conversou com a dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, Lilian Odo que falou um pouco sobre a importância do produto.

Ela explica que o antioxidante pode ser endógeno, enzimático e não enzimático. “Sem eles, o estresse oxidativo é pronunciado causando envelhecimento ou distúrbios crônicos e degenerativos, como câncer e doenças inflamatórias”. Ela ainda exemplifica cada tipo de antioxidante: “Enzimáticos: catalase, glutationa peroxidase e superóxido dismutase. Os antioxidantes não enzimáticos incluem albumina, flavonoides, ácido fólico, ácido lipóico, resveratrol, ubiquinona (coQ10), vitamina A (carotenóides), vitamina C (como ácido ascórbico), vitamina E, vitamina K, entre outros”.

Lilian explica que os radicais livres são produzidos no nosso organismo a partir de vários processos celulares e fontes externas, incluindo poluição, tabaco, além de radiação UV. “A superexposição da pele a esses agentes nocivos esgota seus antioxidantes naturais, sobrecarregando esses mecanismos de proteção. Daí a necessidade de suprimento externo proveniente da alimentação e do uso de cremes ricos em antioxidantes”.

passando antioxidante no rosto saiba os benfícios

A especialista adiciona que existe no mercado uma gama de antioxidantes e que o dermatologista é quem está apto a escolher ou formular o produto com o conjunto de antioxidantes e cosméticos adequados para cada pessoa. “Dessa maneira, é pensada uma formulação tópica com diferentes substâncias ativas que, quando juntas, agregam os benefícios de seus diferentes mecanismos de ação para tratar determinado problema. Muitas vezes um ativo potencializa ou estabiliza o outro, tornando o produto mais eficaz, como a junção da vitamina C, vitamina E e topicatenos”.

Ele pode ser usado até duas vezes ao dia. A dermatologista ainda explica que alguns antioxidantes, como a vitamina C, em concentração muito alta pode causar irritações na pele, pois sua forma ativa é ácida. “Dependendo da sensibilidade de cada pele, podem ocorrer processos alérgicos, algumas vezes não relacionado ao antioxidante em si, mas a outros componentes da fórmula”. 

Como na pele ele desempenha uma ação protetora, ele não causa efeito rebote, contudo, ela alerta que os antioxidantes são instáveis, perdendo sua efetividade terapêutica quando em contato com o ar ou exposto ao sol. “Por isso na hora da compra, dê preferência para embalagens ‘airless’ e mantenha bem fechado, protegido do sol e calor, para preservar melhor a integridade dos ativos”.